09 maio 2009

Sobre as Mães

Não conheço o nome científico destas rosas, sei apenas o nome pelo qual minha mãe as denominava – Rosa Amélia.

Elas sempre abrem em cachos e duram poucos dias, mas o seu perfume é inesquecível.

 

Assim são as mães.

Estão sempre rodeadas de filhos, biológicos ou ideológicos, e quando se vão, parece que não viveram o suficiente.

Entretanto, o seu perfume, a sua essência, perduram em nossa memória para sempre.

rosa_amelia

 

Dona Irene, minha mãe, este é um singelo tributo da sua filha.

As rosas, de vez em quando, florescem no meu jardim, para render-lhe homenagem.

 

Herivelto Martins e David Nasser escreveram a valsinha abaixo, não vou aqui discutir as relações implícitas, para mim esta música, na voz de Ângela Maria, tem sabor de infância – ouço ainda minha mãe cantando…

 

 

Ela é a dona de tudo
Ela é a rainha do lar
Ela vale mais para mim
Que o céu, que a terra, que o mar

Ela é a palavra mais linda
Que um dia o poeta escreveu
Ela é o tesouro que o pobre
Das mãos do Senhor recebeu

 

Mamãe, mamãe, mamãe
Tu és a razão dos meus dias
Tu és feita de amor e de esperança

 

Ai, ai, ai, mamãe,
Eu cresci, o caminho perdi,
Volto a ti e me sinto criança

 

Mamãe, mamãe, mamãe
Eu te lembro o chinelo na mão
O avental todo sujo de ovo

Se eu pudesse eu queria outra vez, mamãe
Começar tudo, tudo, de novo

Um comentário:

Sua opinião é muito importante, aceitamos críticas, sugestões e até mesmo elogios....
Para deixar o endereço do seu blog/site, comente usando a opção OpenID.
Apesar de aceitarmos comentários anônimos, seria interessante que você informasse o seu nome.

Agradecemos a visita.