22 agosto 2014

Erro em livro didático

Ensinar Genética é uma tarefa difícil no Ensino Médio, as atividades práticas exigem materiais que nem sempre a escola possui. 
Quando encontrei no livro de Biologia um modo de simular a ação das enzimas de restrição e a eletroforese em gel, fiquei animada. 
Fiz cópia da página e levei o material para a turma. 
Foi impressionante, até alunos pouco participativos se animaram e de posse das tesouras e cola começaram a simulação, assumindo cada um o papel da enzima e analisando uma amostra de DNA. 
Até aí tudo bem, a atividade transcorria dentro do esperado. 

Tempos atrás realizei uma atividade semelhante com outra turma e confiei na resposta apresentada pelo livro. 
A surpresa veio quando o primeiro grupo terminou a análise, o resultado foi diferente do que o livro apresentava. Pensei que eles haviam misturado pedaços de DNA. Então os outros grupos encontraram o mesmo resultado. 
Voltei ao livro, conferi cada pedacinho do DNA e verifiquei que a sequência apresentada na atividade era diferente da que constava na resolução. 

Página do exercício a ser resolvido:

Página da solução do crime:

Os autores dizem que o suspeito 2 é o culpado do crime, no entanto, pela sequência do DNA apresentado, ele é o único inocente sem sombra de dúvida. A placa de eletroforese mostra 100% de coincidência entre o DNA de Breno (a vítima) e os DNAs do suspeito 1 e das células de pele encontradas sob as unhas de Breno. 
Portanto o suspeito 1 é gêmeo de Breno e pode ou não ser o culpado. 

Se você é professor de escola pública e recebeu para análise a coleção da Editora Saraiva, verifique o que estou falando. 

É esse o livro em questão.